sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Poema oculto



Entre as linhas
(amarelas linhas
de um caderno velho),
bolinhas
tracinhos
pinguinhos
e outros rabiscos.

Riscos
descuidados
de um coração
em farrapos.

Mas isso,
nas entrelinhas.
Que obviamente
quase ninguém vê
nem lê.

Quase.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!
Responderei ao seu comentário em seu respectivo blog.
Até mais!