terça-feira, 30 de abril de 2013

Canção do Encontro


E por não saber que cada um é uma nota só, quis juntar-se a outras notas, e assim fazendo, surgiu a canção. E inconformado por não encontrar a certeza, por não achar algo que tocasse com toda a delicadeza o seu coração e provocasse uma violenta vontade plácida, seguiu. Em frente e sem rumo certo. Subiu montanhas e vales. Andou por caminhos dos quais se orgulhava. Sentiu-se cansado e pensou em desistir. Em vez disso, sentou. Chorou sozinho. Lembrou das companhias que o mundo até então lhe trouxera e com o qual uniu-se para fazer canção. E à beira do que imaginava ser o fim, resolveu seguir adiante. E assim fez. E assim foi. O céu como testemunha, o sol como guia, a lua como bálsamo, as estrelas embalando seus sonhos, riachos matando-lhe a sede. Seguiu. E quando pensou não haver mais nada, encontrou o que buscava.

E foi assim, desse jeitinho, que surgiu a canção do encontro, a mais bela canção que alguém um dia sonhou que pudesse existir...



(Ao amigo que busca)

Um comentário:

  1. Encontro é uma das mais belas palavras que existe, só pronuncia-la já dá pra sentir um frisson da canção:
    juntar canção e encontro e feito céu e mar,
    lindo demais.

    Beijo, Cris
    obrigada pela visita!

    *

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Responderei ao seu comentário em seu respectivo blog.
Até mais!