sábado, 28 de janeiro de 2012

O vazio





O vazio
que preenche a minha alma
de frio
é como um rio
sem mar para encontrar:
tem começo e não tem fim
não acaba dentro de mim
intangível
sem barcos a lhe navegar.


(esse poema é parte de uma tríade - ou seria trilogia? qq que seja o nome correto, você pode encontrar o outro aqui)

2 comentários:

  1. um rio sem mar pra encontrar é quase como um céu sem estrelas, falta o porquê!
    Por que seguir o curso e deixar fluir, se esse rio, ja quase vazio, esta a ponto de secar?

    tantas e tantas vezes nos sentimos assim.....rios vazios sem porquês.....

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Responderei ao seu comentário em seu respectivo blog.
Até mais!